Empreendedorismo

Berço de Empresas da Ribeira Grande

Perante a atual conjuntura económica surge a necessidade de proceder à adoção de medidas que visem o apoio ao empreendedorismo e a iniciativas e investimentos empresariais, que contribuam para dinamizar a economia, revigorar o tecido empresarial e contribuir para a criação de postos de trabalho.

 A Câmara Municipal da Ribeira Grande propõe-se, assim, a desenvolver medidas que promovam e captem investimentos, empresas e empreendedores para o concelho da Ribeira Grande, capazes de estimular a criatividade, a inovação e sinergias entre os diversos agentes económicos locais, e promovendo as áreas de desenvolvimento estratégico do Concelho.

Para tal foi criado o Berço de Empresas da Ribeira Grande – BERG, um programa que pretende proporcionar o acesso a equipamentos de apoio às novas empresas, proporcionando-lhes condições técnicas e físicas para a sua instalação no Concelho da Ribeira Grande.

Cidade Histórica - Programa de incentivo à aquisição e recuperação de edifícios no centro histórico

A Zona Histórica da Ribeira Grande abrange áreas consolidadas das Freguesias de Conceição e Matriz e corresponde à delimitação no Plano de Pormenor de Salvaguarda da Zona Histórica da Ribeira Grande (PPSZHRG) com cerca de 33 hectares e inclui mais de 900 edifícios, 5 dos quais são imóveis de Interesse público. Após a classificação como conjunto de interesse municipal (Edital 8/2011, de 19 de julho) foram realizadas diversas ações previstas no PPSZHRG, com intervenção nos espaços públicos e no edificado propriedade da Câmara Municipal. Para garantir a salvaguarda e conservação do edificado e revitalização da Zona Histórica, para além da vontade da Câmara Municipal em intervir diretamente nos edifícios que tutela e nos espaços públicos, é também necessária a promoção da intervenção nos inúmeros imóveis de propriedade particular que se encontram degradados, devolutos e com elementos dissonantes. Para promover as ações de reabilitação foram aprovados um conjunto de incentivos de forma a estimular os proprietários privados à realização de obras de manutenção, recuperação e de correção de dissonâncias que, em princípio, dificilmente seriam realizadas. Como tal, foi aprovado um Regulamento de incentivos com o quadro de benefícios fiscais associados aos impostos municipais, designadamente o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e o Imposto Municipal sobre as transmissões onerosas de Imóveis (IMT). Para além dos incentivos associados aos impostos municipais, são previstos incentivos em taxas e licenças que visam a redução dos custos dos proprietários ou promotores na realização das ações de reabilitação. As conjugações destes incentivos com outros programas de financiamento tornam viável e aliciante a realização das ações de reabilitação na Zona Histórica de forma a assegurar a reabilitação dos edifícios que se encontram degradados ou funcionalmente inadequados, com a melhoria das condições de habitabilidade e de funcionalidade do parque imobiliário urbano.

Concurso de Ideias de Negócio - "Sai da Caixa"

Programa de Educação para o Empreendedorismo - Crescer e Empreender

A ideia de que o empreendedor é apenas fruto do fator hereditariedade ou de que o empreendedorismo é uma característica inata de alguns indivíduos, começa a ser abandonada, ganhando lugar a corrente que defende que é possível aprender a ser empreendedor, através do recurso a políticas diferenciadas ao nível do ensino, o que poderá ser feito através do desenvolvimento de programas de ensino e de aprendizagem que contemplem o desenvolvimento de competências empreendedoras.

Inspiradas por esta lógica muitas são as entidades governamentais com competências na área da educação que tem vindo a promover este género de programas. É o caso da Câmara Municipal da Ribeira Grande que, em parceria com as diversas escolas do 1º ciclo do ensino básico do concelho, tem vindo a desenvolver o Programa “Crescer e Empreender”

Este programa, destinado aos alunos do 4º ano do 1º ciclo, pretende ser um motor de desenvolvimento das capacidades e competências empreendedoras dos alunos e dar-lhes a conhecer o conceito de empreendedorismo e a sua importância para o seu desenvolvimento pessoal e da comunidade onde estão inseridas. Construir uma cultura de desmistificação do erro, do risco e da tomada de decisões e do incentivo ao espírito de iniciativa, de cooperação e de competitividade, através da partilha de experiências, ideias e soluções entre os mais novos, é o que se pretende alcançar através da aplicação de uma metodologia de aprendizagem inovadora inspirada no conceito “aprender fazendo”.

A implementação deste programa passa pelo desenvolvimento de dez sessões em contexto letivo, aonde se promovem atividades lúdicas que estimulam as competências empreendedoras dos alunos, como a capacidade de iniciativa, de trabalho em equipa, de liderança e de responsabilidade juntos dos alunos. Com estas sessões pretende-se que os alunos possam ser capazes de perceber que o empreendedorismo é acima de tudo uma atitude, uma forma de estar, é a capacidade que cada um de nós tem de fazer acontecer as suas ideias, os seus sonhos e projetos, pelas suas próprias mãos.

Este programa comtempla a realização da Feira Mini-Empreendedores, na qual os alunos têm a possibilidade de aplicar os conceitos transmitidos durante as sessões, através da experiência da venda de produtos e serviços criados pelos mesmos, durante algumas horas, fora de portas do espaço escolar e em contacto com a comunidade local. Esta é uma atividade que tem revelado ser uma experiência enriquecedora para os alunos que têm frequentado este programa desde a sua implementação. Os resultados gerados com as vendas são posteriormente utilizados pelos alunos para atividades por eles organizadas.

A atitude dos alunos que se pode verificar ao longo do desenvolvimento do programa, demonstram que este tipo de programas são uma mais valia para a construção de uma sociedade mais proativa, mais interventiva e mais empreendedora.

X
X